Lomas de Arena (Santa Cruz de la Sierra)

As Lomas de Arena, dunas, ficam dentro da cidade de Santa Cruz de la Sierra, mais ou menos no 6º anillo e são lindas! Vou ser uma péssima informante e dizer que não faço a menor ideia de como chegar, fui com amigos de lá que sabiam o caminho, mas acho importante dizer que só se chega de caminhonete ou andando (muito). Acredito que seja possível se informar sobre no centro de informações ao turista, que fica na praça 24 de Septiembre.

IMG_20150920_154946697 IMG_20150920_171942231

É muito legal, a areia é fofinha e dá pra pular dos barrancos sem se machucar, nos divertimos muito tirando as fotos. Óbvio, eu resolvi rolar uma duna e tenho areia no short até hoje, dois meses depois.

12003379_955639864493317_273134753549916940_n 12115937_960719710651999_922817307932390732_n

É um passeio muito legal, eu me programaria para fazer mesmo se ficasse só um dia em Santa Cruz. Não conheço o Maranhão, então foi bem legal pra mim. Custa só 10bs para entrar no parque. Levem água (bastante, tipo 1L por pessoa, pelo menos), comida, protetor solar, óculos de sol e um lenço para botar na cara. Explico: venta MUITO, acho que só vi coisa igual no Salar de Uyuni, mas aqui é pior porque venta areia e machuca mesmo. Eu teria levado um soro fisiológico também para lavar o olho se soubesse. Mas isso não é nada perto da paisagem, de verdade. Visitem!

Anúncios

Biocentro Güembé (Santa Cruz de la Sierra)

O Biocentro Güembé é o lugar perfeito para passar o dia com crianças ou amigos. É um misto de “zoológico” com parque aquático.O zoológico vai entre aspas porque lá, mais que manter os bichos em cativeiro, é um grande centro de acolhimento de animais que foram resgatados de cativeiros, seja porque alguém acha maneirão prender uma arara em casa, seja porque iam ser traficados para outros lugares. Lá, os visitantes podem ter contato direto com pavões, araras, macacos, tartarugas, papagaios e outras aves. Fora isso, o Biocentro tem o maior borboletário da América Latina, mas eu passei essa parte porque tenho fobia de borboleta.

IMG_20151001_112822535  IMG_20151001_123645773 IMG_20151001_132102330

Todo dia, de tempos em tempos, tem um guia que vai te explicando tudo sobre o parque. Os tours começam em um museu que tem lá dentro e percorre o parque todo, terminando nas piscinas. É realmente um passeio bem completo. Tem um espaço para meditação, um museu pequeno de história natural, campo de futebol e quadra de vôlei de praia. Eu fui com dois amigos e achei legal, mas com criança deve ser ótimo.

IMG_20151001_133508070_HDR IMG_20151001_113226850_HDR  IMG_20151001_131312402_HDR

COMO CHEGAR?

Nossa, vou ser terrível nessa, não faço ideia. Quem me levou foi meu amigo Froilan (beijo, Froi), que mora lá, então não faço ideia. Mas sei que você pode chegar de táxi, não é muito longe. Na saída, tem alguns táxis também.

QUANTO CUSTA?

A entrada normal custa 200bs, mas eu paguei 150bs numa promoção. É um passeio mais caro, mas acho que vale o preço, tem muita coisa lá.

QUAIS SÃO AS OPÇÕES DE COMIDA?

Isso varia muito de dia. Eu fui em um dia de semana meio chuvoso e me ferrei  porque só tinha o restaurante aberto, que é meio caro, tipo 80bs por um buffet. Acabei comendo um sorvete e um biscoito que levei na mochila e almocei depois de sair de lá. No final de semana, sei que tem vários bares abertos com mais opções.

VALE A PENA IR?

Depende se você tem tempo na cidade. Acho que não é um passeio tipo COMO VOCÊ FOI EM SANTA CRUZ E NÃO FOI NO BIOCENTRO?, mas é bem legal, sim. Se a viagem for com criança, acho beeem legal, tem muita coisa pra fazer e elas vão se divertir muito, é um programa bem familiar.

Santa Cruz de la Sierra – O que fazer

Santa Cruz de la Sierra é uma cidade grande para os padrões bolivianos, mas qualquer um do Rio ou de São Paulo vai identificar a cidade como pequena imediatamente. A organização da cidade é em torno da praça central, a 24 de Septiembre, onde fica esta catedral linda de tijolinhos:

IMG_20150911_114625270_HDR IMG_20150911_183227924

A igreja foi fundada pelos Padres Mercedários em 1572 e foi incendiada por “patriotas revolucionários” em 1817, mas foi reconstruída no ano seguinte (estou tirando essas informações de um material turístico que me deram. Botei o patriotas revolucionários entre aspas porque nunca se sabe o que está na cabeça de quem escreve…). Em 1922, a igreja adotou um estilo neogótico, com seus muros de cal e revestimento fofo de tijolinho.

PASSEIOS NA CIDADE (Tour de 1 dia)

Você acabou de chegar em Santa Cruz! Que tal tomar um suco de laranja natural em uma das barraquinhas em torno da praça? Eles são bem gostosos. Se você for mais aventureiro, também pode experimentar um suco de morango ou tamarindo que as senhoras vendem em coolers ao redor da praça. Na extremidade oposta à catedral, fica o centro de informação para turistas, você pode conseguir um mapa lá. Minha dica é ficar andando pelo centrinho, tem algumas casas de câmbio por ali perto, é possível visitar e subir na catedral e almoçar no restaurante colorido que fica em uma das esquinas da Catedral. Nele, você subir pro rooftop e ter uma boa visão da cidade. Preste atenção no chão da galeria que fica na entrada lateral: ele é espelhado com o desenho da catedral!

IMG_20151004_214249091

Depois, você pode visitar os dois museus que tem ali perto. Um é uma casa branca que fica em um dos lados da praça, a Casa Municipal de la Cultura (Plaza 24 de Septiembre, entre a Calle Junín e a Calle Ayacucho). Quando fui, estava tendo uma exposição de arte contemporânea de artistas LGBT, o que me surpreendeu, visto o que já tinha percebido do conservadorismo da sociedade por lá. O outro é o Manzana 1 (Independencia e Plaza Manzana 1), um centro cultural bem bonitinho que prioriza artistas locais nas exposições.

IMG_20151004_210405312 IMG_20151004_210851501 IMG_20151004_211117666

Do lado esquerdo da catedral, tem uma ruazinha estreita, atravesse. Você vai encontrar uma outra praça com um muro toodo grafitado, ótimo para tirar fotos. Nos finais de semana, principalmente no domingo, essa praça tem uma feirinha, artistas de rua pintando e até oficinas de pintura para crianças, é uma gracinha. Acho que agora é importante uma pausa para o café ou o chá porque a siesta ainda não acabou, vai estar tudo fechado. Perto dessa praça em que estamos, tem um café com Wi-Fi (coisa rara na Bolívia)! O Coffee Town tem cafés de várias partes do mundo, chás e bolinhos deliciosos de Nutella. Se estiver calor, uma boa pedida é a loja de paletas mexicanas que fica do lado. Meu sabor preferido é de coco com doce de leite.

IMG_20151011_193531100IMG_20151011_193535605

Já deu 15hrs? O passeio pode continuar em um dos mercados locais. Eu ia no Los Pozos, mas acho que fica um pouco longe (eu sou um lixo para distâncias e direções, desculpe). Nesses mercados você vai ver frutas, muitos DVDs piratas e a cultura local. Preparem as máquinas (com cuidado, claro) e aproveitem os diversos sacos de grãos, temperos, os abacaxis decorados e movimento perto desses mercados.

De noite, meu bar preferido por lá é o Mentos, que fica pertinho da praça e do Café Lorca, outro restaurante tradicional da cidade. Lá toca uma música ótima, mais rock, e também tem uma parte de eletrônica, que não eu gostava muito.  Se você for mais velho ou estiver indo em casal, recomendo o Café Lorca mesmo. Dependendo do dia, tem música ao vivo. Quer esticar a noite? Gosta do Teatro Odisséia, na Lapa? Pergunte pela Caminito. Você não paga nada pra entrar, vai lá dar uma olhada! ;)

OUTRAS ATIVIDADES

Samaipata

Biocentro Güembé

Lomas de Arena

Samaipata (Santa Cruz de la Sierra)

Samaipata é uma cidade muito simpática que fica noa arredores da Santa Cruz de la Sierra (120km, para ser mais exata). Assim como Santa Cruz, é organizada em torno de uma praça, onde tem uma igrejinha e os habitantes ficam conversando nas horas vagas. Acho que uma boa referência para os cariocas é Lumiar, lembra bastante. Como sobrevive do turismo, a cidade é uma gracinha, tem cafés, chocolaterias, pizzarias, etc, e tudo muito decorado, dá pra ver que se preocupam realmente com a aparência dos estabelecimentos.

IMG_20150912_185409707

Pracinha principal da cidade.

IMG_20150913_151532074

Grafite que tinha por lá!

“Cafe 1900”, café que fica na praça e tem Wi-Fi! ♥

Quanto tempo ficar?

Isso varia muito. Eu fiquei uma noite e achei que foi o ideal, mas dá tranquilamente para fazer um bate-volta ou ficar mais tempo também, depende mesmo do quanto você gosta desse tipo de programa.

Como chegar?

De Santa Cruz, você pode ir até a esquina da  Av.Omar Chávez com a Calle Soliz de Holguín e perguntar pelos “trufis para Samaipata”. “Trufis” são como vans, ou aqueles carros maiores de 8 lugares. O preço da passagem pode variar de acordo com a quantidade de pessoas. É bem comum na Bolívia eles ficarem esperando encher o carro e só saírem depois disso. Já aconteceu de eu pagar passagem para mais uma pessoa fantasma só para sair logo. Paguei 30bs para ir e 30bs para voltar. A viagem dura em torno de 2:30/3hrs (depende do quanto o motorista quer brincar de emoção).

A viagem é tranquila?

Botei essa pergunta só para desabafar ou avisar que “é normal”. As estradas de lá são bizarras e na beira de um precipício. Os motoristas correm demais e eu achava que cada curva seria a última da minha vida. Minha dica é: bota uma música e fecha o olho. Sempre dá tudo certo, bizarramente.

O que tem para fazer lá?

Vou contar do que eu fiz, mas com certeza você pode achar outras opções de decidir ficar mais tempo.

Chegamos sábado de noite e jantamos. Os meninos decidiram sair e foram para a pior boate que já vi na vida. Decidi poupar meu tempo e ir dormir, mas eles aparentemente conseguiram ficar bêbados e encontrar mais duas festas na cidade. Domingo de manhã, fomos no mercado local tomar café e comprar folha de coca, já que Samaipata fica a 2.000m de altitude e pode já causar alguns desconfortos. Eu tive um princípio de dor de cabeça que passou logo com a folha, mas uma amiga teve dor de cabeça de verdade e ficou toda vermelha. Depois disso, fomos na praça e conversamos com um taxista que topou passar o dia com a gente por 80bs por pessoa. Ele era muito simpático e também foi uma espécie de guia turístico e nos mostrou “a cara do inca”, o que quase ninguém mostra (peça pra ver), no caminho da nossa primeira parada: o Forte de Samaipata, que fica em um sítio arqueológico que foi declarado Patrimônio Cultura da Humanidade pela UNESCO,em 1998 (Fuerte de Samaipata, em espanhol) .

IMG_20150913_090732007_HDRIMG_20150913_090741419_HDR

A entrada do Forte custa 50bs para estrangeiros, mas eu acabei pagando 25bs porque entrei no bolo dos meus amigos bolivianos. É bem normal na Bolívia essa diferença de preço estrangeiro/local. Você também pode contratar um guia por fora, o que acho uma boa opção, se tiver dinheiro. Como a gente não tinha, fomos com o apoio das placas mesmo e do mapinha que eles fornecem gratuitamente na entrada. Guardem essas entradas, elas dão acesso a um museu que fica perto da praça e vale a pena ir.

No forte, pude ver diversas ruínas incas bem preservadas e campos lindos de dente-de-leão. A trilha do passeio demora mais ou menos 2 horas, mas isso vai depender mesmo do seu preparo físico e de como seu corpo vai reagir à altitude. Se eu tivesse me planejado melhor, teria levado alguma coisa para fazer um piquenique porque tem diversos campos lindos e não vende comida ou água por lá, não esqueçam de levar na mochila. E também não esqueçam do repelente: onde tem mato tem mosquito.

IMG_20150913_111213194 IMG_20150913_105611949_HDR IMG_20150913_103630011 IMG_20150913_101215005_HDR

Depois, fomos visitar as Cuevas, que são cachoeiras bem bonitas. A entrada custa 15bs e aqui é realmente um item básico de sobrevivência o repelente. E iria além: usem calça e estejam o mais cobertos possível. Eu sou alérgica e fico cheia de calombo com picada de mosquito, foi terrível mesmo toda encasacada, não sei como conseguiram isso. No mais, o passeio é lindo e deve ser ótimo em dias de calor, quando eu fui tava uns 10ºC, nem tive coragem de ver a temperatura da água, já estava ventando muito.

IMG_20150913_123013116_HDR IMG_20150913_125740882_HDR

Foi basicamente isso. Depois, voltamos para a cidade, almoçamos e voltamos para Santa Cruz antes de escurecer. Façam o mesmo, não esqueçam da estrada da ida haha.

Onde me hospedo?

Sempre acho complicado isso porque depende muito do seu ritmo de viagem e de com quem você está. Eu fiquei num hostel chamado Hostal Siles (Tel: 944-6408) e paguei 50bs pela noite. Pro que eu queria, que era dormir quentinha uma noite, foi ótimo, mas eu tenho certeza de que morreria eletrocutada se ligasse aquele chuveiro. Se você é, assim como eu, mochileiro sem grana hehe, pode ir na minha que vai dar tudo certo. De qualquer forma, também recomendo ir perguntando de hostel em hostel e ir tentando negociar, é tudo pertinho. Obviamente, não precisa reservar antes, nem sei se existe essa possibilidade.

Onde comer?

Olha, outra pergunta difícil. Lá tem várias opções de restaurante, mas é tudo mais simples. Claro, você pode achar um restaurante com massa e vinho, mas eu fui mesmo na pizzaria e rachei uma com o pessoal pra ficar mais barato (pizza 12 pedações 90bs + jarra de limonada 30bs). O que eu recomendo mesmo é o Café 1900, que tá na foto ali em cima. Tem banheiro limpo e Wi-Fi e eu valorizo muito lugares com essa combinação. Isso na Bolívia é luxo, acreditem em mim.

Quanto vou gastar?

Outra coisa difícil… Eu gastei cerca de 250bs, mas dava pra ser mais barato e mais caro.

Vale a pena?

Olha, eu sou mega urbana, tenho um pouco de pânico de muita natureza (desculpe, sou assim, não posso fazer nada) e gostei de ter ido. Se você gosta de civilizações antigas, ruínas e natureza, vai curtir com certeza. Eu só teria feito uma coisa diferente antes de ir, teria estudado um pouco da civilização inca. Acho que te daria outra perspectiva do lugar.

Como senti falta disso, pesquisei alguns livros que foram elogiados na internet sobre os incas e o que mais apareceu pra mim foi A civilização Inca, de Henri Favre, da editora Zahar. Tenho certeza de que vou me arrepender de não ter lido esse livro antes, mas é a vida.

Dicas gerais

  • Um bom casaco. Quando eu fui, em setembro de 2015, tava fazendo bastante frio, tipo abaixo de 0, durante a noite.
  • Levem comidinhas e água para os passeios, não é tão fácil assim de achar e a água é realmente necessária, visto que 1. é água e 2. na trilha do forte tem várias subidas e qualquer tipo de exercício fica mais difícil a 2.000m de altitude.
  • Repelente. Abracem o repelente e façam dele seu melhor amigo. Me agradeçam depois.
  • Usem tênis para o passeio. Isso é meio óbvio, mas levem o chinelo na mochila se quiserem entrar, tem várias pedrinhas no chão.

Ah, uma última dica: se você gosta de esportes radicais, conheci um grupo lá que estava indo fazer rafting. Não sei como funciona, mas acho que vale se informar.

Santa Cruz de la Sierra/Bolívia – Chegando

Quando procuramos qualquer coisa de Santa Cruz de la Sierra no Google, podemos ler que é uma “cidade de passagem”, que “não tem nada pra fazer”. Morei lá por um mês e meio enquanto fazia trabalho voluntário e descobri um pouco mais do que isso. Minha dica é: você está indo para La Paz em uma viagem curta pela Bolívia? Fique 1 dia em Santa Cruz. Quer conhecer um pouco mais do país e está mochilando com mais calma? Passar uns 5 ou 6 dias em Santa Cruz é suficiente.

Santa Cruz é a porta de entrada da maioria dos brasileiros que chegam por ar à Bolívia, principalmente nos voos da Gol. Para chegar na Bolívia, você vai ter que preencher muitos formulários, muitos mesmo, é insuportável. Não me lembro de preencher tanta coisa nem nos EUA. Saindo do avião, chega a imigração com a divisão clássica locais/mercosul/outros. Meu voo não estava tão cheio, mas também acho que andou rápido. Como meu passaporte é do Mercosul, não me perguntaram muita coisa (estava morrendo de medo porque deixei o endereço em que eu ficaria em branco, já que eu não sabia, mas não deu nada), disse o que estava indo fazer lá, fizeram uma brincadeirinha comigo e me devolveram meu passaporte carimbado sem o limite de dias e um papel. NÃO PERCA ESSE PAPEL. Eu não perdi, mas posso  dizer que pode te dar problema. Esse é o papel que garante sua passagem pela imigração, guarde ele na doleira junto com o passaporte, vão te pedir para fazer check-in em hostels em La Paz e coisas do tipo. Além disso, você tem que entregar na saída e deve ter que pagar alguma coisa se perder. Enfim, vamos poupar aborrecimentos e apenas se agarre a esse papel como se não houvesse amanhã. Logo depois, vão te encaminhar para a sala de bagagens e eles vão abrir todas as malas do voo. De verdade. Demora uma eternidade para sair do aeroporto, estou sendo sincera.

O aeroporto é o VVI (Viru Viru) e é bem pequeno. Uma comparação mais ou menos é o Santos Dumont, mas o VVI é realmente é menor. Fica localizado a 5km do 8º anel da cidade (aqui cabe uma explicação: Santa Cruz, assim como muitas cidades da América espanhola, é organizada com uma praça no meio e anéis que irradiam dela, como se tivessem jogado uma pedrinha em um lago) e o centro fica perto do 1º anel. Para eles, o aeroporto é longe, mas para mim, que moro no Rio, acho bem tranquilo.

Organização da cidade: a praça 24 de Septiembre no meio e os anéis  irradiando. A cidade está crescendo agora para o 9º.

Você pode sair de lá com um ônibus que vai passando pelos anéis (anillos) ou de táxi. Cuidado com os taxistas. Em Santa Cruz, e na Bolívia em geral, existem mil leis, mas ninguém as cumpre, o que não é diferente com os táxis. Na teoria, eles deveriam ser brancos com uma faixa verde, mas são apenas veículos de passeio com um adesivo de táxi colado que claramente pode ter sido comprado na banca de jornal. No aeroporto, existem, sim, táxis padronizados, são brancos com faixa azul. Mire neles e evitem pegar outro. Primeiro choque cultural: não existe taxímetro, você tem que combinar o preço. Li muitos blogs que diziam para pechinchar o máximo e tudo mais, mas percebi que esse não é um costume das pessoas que moram lá. Acho que isso é mais comum em La Paz. De qualquer forma, o táxi do aeroporto até o Centro tem um preço meio padronizado, é 70 bolivianos. Você pode até tentar negociar, mas acho que vai ser sem sucesso. Preste atenção e combine isso antes de entrar no carro porque já aconteceu comigo muuitas vezes de os taxistas mudarem o preço no final ou quando eu falava uma frase com sotaque mais pesado. Bata o pé e pague apenas o combinado.

Se não tiver endereço programado e estiver na dúvida de onde ir, peça para te levarem para a Plaza 24 de Septiembre. É lá que você vai ver mais movimento, é o coração da cidade, e também tem alguns hostels por lá. Boa viagem :)